Relato de Experiência

Por Lissandra roggia Machado

Sobre eu

Meu nome é Lissandra Roggia Machado, professora de Ciências da Natureza da rede Estadual e Municipal de Rosário do Sul. Atualmente atuo nas Escolas Professora Emília Prates (estado) e EMEF Oliveiro Thaddeo (Municipal) com turmas de 6ºs a 9º anos.

Minha história

As atividades foram realizadas de forma online e teórica, devido a pandemia (entre os meses de maio a junho) quando retornamos as aulas presenciais (julho até o momento) foram realizadas alguns trabalhos práticos e a atividade 1, “como é o consumo energético da nossa escola?” do material didático Gerador e Difusor. Trabalhamos com o tema energia a partir da pergunta exploratória “O que você entende por energia? ”. Acho importante, antes de dar início a um conteúdo questionar os educandos para saber qual o conhecimento prévio dos mesmos para que possamos compreender o que os alunos entendem por energia e quais as curiosidades sobre o assunto, esses dados servirão para a elaboração pedagógica a ser implementada. Após esse questionamento recebi algumas respostas, que vale destacar: 1- Energia é de extrema importância para a sociedade, uma vez que por meio dela além de iluminação, pode gerar muitos processos elétricos. Sem eletricidade muitas coisas mudariam. 2- Não há uma definição exata para energia, mas podemos dizer que ela está associada à capacidade de produção de ação e/ou movimento e manifesta-se de muitas formas diferentes, como movimento de corpos, calor, eletricidade. 3- Na minha opinião energia é muito importante para o ser humano, imagina se a gente não tivesse energia e todos os seus recursos. A energia afeta o meio ambiente de qualquer forma e isso não é bom, isso é um fato, mas vejo a energia como um recurso necessário. 4- Que existem diversas forma de energia e que energia é tudo o que produz ações. Então, com apoio dos recursos presentes nos materiais didáticos, Gerador e Difusor, e do site da RGE nas escolas energia em Jogo, tivemos início aos conceitos energia, as fontes de geração de energia, sua importância, seu uso, importância dos recursos naturais, os tipos de energia, consumo e desperdício de energia, como funciona a energia solar, matriz energética, eficiência energética ( acham interessante o selo Procel, pois não sabiam o significado do selo nos aparelho elétricos) e, também aprenderam a calcular o consumo de energia gasto mensalmente. Uma das atividades desenvolvidas foi “Qual o caminho que a energia percorre para chegar até a sua casa?” Essa atividade foi realizada através de ilustrações e vídeos. Foi muito gratificante perceber que os educandos se mobilizaram em busca de informações de como essa energia elétrica chega até suas casas e realizaram a atividade com dedicação. Foi muito interessante perceber o empenho dos educandos em realizar o levantamento sobre o consumo de energia da escola bem como de todos os pontos de recebimento de energia elétrica. Observaram alguns problemas, tais como sobrecarga nas tomadas devido a mais de um aparelho ligado nas mesmas, várias lâmpadas queimadas e perceberam que freezer e geladeira não possuem o selo Procel que indica os materiais elétricos que consomem menos energia. A partir das observações dos problemas encontrados os educandos sugeriram ideias para resolver os problemas, tais como substituição de lâmpadas, revisão na elétrica e colocação de mais tomadas em sala de aula para evitar sobrecarga, lâmpadas com sensor de presença, rever tomadas e trocar os equipamentos que não possuem o selo Procel, e também sugeriram a implantação de placas de energia solar. Além de proporem a colocação de placas solares os educandos realizaram uma pesquisa em uma empresa local, obtendo orçamentos para implementação dessas placas. Essa atividade com certeza, despertou o cientista que cada um traz dentro de si. Os educandos foram a campo, observando, detectando o problema e buscando resolve-lo. Essa experiência proporcionou que os educandos vivenciassem a realidade escolar, transformando-os em sujeito da aprendizagem, possibilitando que os mesmos desenvolvam habilidades e competências específicas. Outra prática bastante interessante, foi o desafio proposto no 7º Desafio do projeto RGE nas Escolas, que tratou de fontes renováveis de energia. Quando apresentei a proposta da atividade eles sentiram-se desafiados e foram pesquisar fontes de energia renováveis. Além da realização das pesquisas, lembram que durante uma das aulas sobre os impactos ambientais das fontes de energia haviam lido um texto sobre a Lâmpada de garrafa pet, invenção brasileira de Alfredo Moser (Livro didático Apoema). Na verdade, eles não acreditavam que essa experiência pudesse gerar energia. Então, a partir das aulas expositivas, pesquisas e aulas práticas (na construção de protótipos utilizando materiais recicláveis), mediante a participação ativa dos alunos na construção dos protótipos comprovaram a veracidade da invenção de Moser. Dessa forma construiu-se um aprendizado de forma mais efetiva. Outra atividade ação realizada pelos alunos foi criação de uma comissão de alunos para conscientizar as demais turmas e até mesmo os demais integrantes da comunidade escolar (famílias) da necessidade de conservação de energia Também não poderia deixar de citar a participação dos alunos na 1ª ONEE (Olimpíada Nacionais de Eficiência energética), realizada em agosto/2021. Foi a primeira vez que meus alunos participaram de algo tão abrangente e desafiador, pois os mesmos foram desafiados a mostrar seus conhecimentos sobre o uso racional da energia elétrica. Estou orgulhosa, pois com os conhecimentos adquiridos através do Projeto RGE na Escolas, tivemos um aluno do 8º ano, premiado com a medalha de Prata e com isso foi selecionado para participar da ONC Olimpíada Nacional de Ciências. Também tivemos duas alunas do 9º. que foram agraciadas com a Menção Honrosa por terem participado da ONEE.

Os resultados dessa ação

A realização de todas as atividades propostas aos educandos contribuiu de forma positiva, pois incentivou-os a pensar criticamente, serem criativos, levantarem hipóteses, observarem e propor soluções para a resolução de problemas. E, ao colocarem a mão na massa para realizar as atividades eles começam a perceber o tema estudado mais espontaneamente, percebendo que conteúdo aprendido em sala de aula está associado com o seu cotidiano.